Vol. 2, n. 2, 2011

TRAVESSIAS INTERATIVAS – VOLUME II
2º SEMESTRE/2011
ARTE, EDUCAÇÃO, LINGUAGENS

(Editorial)

É preciso animar-se para a sabedoria. A decisão pelo esclarecimento é um empreendimento ousado que exige o abandono do seio da indolência, a tensão de todas as forças do espírito, a negação de muitas vantagens e uma perseverança de ânimo que se torna demasiadamente difícil para o mimado filho do prazer. (F. Schiller).

A chamada para o segundo número da Revista Travessias Interativas divulgou seu interesse em publicar artigos referentes ao tema “Arte, Educação, Linguagens”. Dessa forma, os artigos recebidos e aprovados pelo conselho editorial contemplaram abordagens que se relacionam a este propósito temático. Ainda que abrangentes, os setores ligados à arte, à educação e às linguagens nos impõem o desafio de pensar as relações existentes entre eles e as relações existentes em seu universo particular. Interligados por contextos culturais, tais setores nos permitem levantar aspectos críticos e teóricos, bem como avaliar a aplicação e a viabilidade de tais pressupostos no âmbito socioeducacional.

O texto de abertura – “O Infinito e a Flor Azul” – é um presente que nos foi ofertado pelo seu autor, Prof. Dr. Marco Lucchesi (UFRJ). Membro da Academia Brasileira de Letras, poeta, ensaísta e tradutor, Lucchesi é um dos grandes destaques da poesia brasileira contemporânea, com uma poética singular, de onde brotam iluminações e a busca pelo Todo: o Todo que é origem, o Todo que é fim. Seu texto aqui exposto retoma o poeta alemão Novalis, visionário do mito da Flor Azul, símbolo não só do Romantismo, mas da poesia em geral. Lucchesi se serve deste mito para abordar, aqui, questões como a matemática do universo... ou o universo da matemática... Fico lisonjeado e grato pela disponibilidade e gentileza de Lucchesi.

Os três primeiros artigos provocam reflexões sobre a educação, envolvendo questões que vão da prática escolar às práticas e problemáticas sociais. O primeiro artigo, do Prof. Dr. Matheus Marques Nunes, intitulado Notas sobre educação e a indústria cultural, faz relações entre o progresso e a sociedade massificada, tentando compreender os modos de vida decorrentes da racionalização tecnológica característica do capitalismo. O artigo seguinte, do Prof. Esp. Pedro Luís da Silva Costa – Democracia, cidadania e o dever de educação do Estado na constituição da República Federativa do Brasil de 1988 – discute temas como democracia, cidadania, participação política e educação, partindo da Constituição Brasileira de 1988. Na sequência, aparece o artigo As dificuldades no ensino da matemática no Brasil, do Prof. Ms. Alexandre da Silva Mello, que discute, entre outros, o tema do fracasso escolar referente à aquisição de conhecimentos matemáticos, embasado em pressupostos teóricos e nos Parâmetros Curriculares Nacionais.

Os quatro artigos seguintes são da área de Letras, sendo um voltado a teorias linguísticas, e os outros três aos estudos literários. O artigo do Doutorando Silas Gutierrez, intitulado Análise textual da plasticidade em 3D, faz uma análise semiótica do recurso 3D, tão largamente explorado pela indústria cinematográfica, intentando um olhar sobre as leituras subjacentes a este recurso. Depois, temos o texto do Prof. Ms. Márcio Luís Souza-Marchetti, Adeus às armas e Nada de novo no front: similaridades e distinções do embate entre o “eu” e o “mundo”, onde discute as duas obras, de Ernest Hemingway e Erich M. Remarque respectivamente, por via de René Wellek e Georg Lukács, levando em conta princípios históricos, comparativos e literários. Em seguida, a Doutoranda Mariângela Alonso traz, com seu texto Clarice Lispector e a imprensa feminina na década de 50: Como matar baratas?, uma discussão sobre questões pouco exploradas pela crítica da obra clariceana, a saber, a trajetória de Clarice Lispector na imprensa feminina brasileira, o que acaba por revelar aspectos pertinentes à obra dessa escritora. O texto A moderna hesitação fantástica em “O pé da múmia”, de Gautier, da Mestranda Ana Carolina Bianco Amaral, apresenta uma análise do referido conto, fundamentada em teorias de Todorov, acerca das estruturas textuais e de questões como “hesitação”, “rompimento com o verossímil”, “leitor implícito” e “elemento sobrenatural”.

Por último, aparecem dois trabalhos de Iniciação Científica. O primeiro, intitulado “Visio”, de Machado de Assis: uma poética de transição, do Graduando em Letras Sandro Ponciano (sob orientação do Prof. Dr. Alexandre de Melo Andrade), traz uma leitura do poema “Visio”, que consta na obra Crisálidas, de Machado de Assis, tendo como objetivo apresentar aspectos representativos da obra poética machadiana. O segundo, da Graduada em Letras Raphaela Magalhães Portella Henriques, Autoritarismo versus submissão em contos maravilhosos de Marina Colasanti, parte de elementos teóricos acerca do maravilhoso, direcionando-os a leituras textuais da escritora Marina Colasanti, tendo ainda como aspecto de observação a relação homem-mulher em alguns contos.

Fica, aqui, nosso agradecimento ao conselho editorial da revista, pelo esmero na avaliação e seleção de artigos, e nosso desejo de que essas leituras suscitem novas discussões, interesses e práticas.

Prof. Dr. Alexandre de Melo Andrade
(Editor)

 


AUTOR CONVIDADO

O INFINITO E A FLOR AZUL

- Prof. Dr. Marco LUCCHESI

 


NOTAS SOBRE EDUCAÇÃO E A INDÚSTRIA CULTURAL

NOTES ON EDUCATION AND THE CULTURAL INDUSTRY

- Matheus Marques NUNES

 

RESUMO: O artigo aborda algumas das conseqüências do progresso tecnológico, implícitas a partir do predomínio da indústria cultural, como é o caso da destruição da experiência através da racionalidade econômica, das transformações na linguagem, na diversão e no maior isolamento das pessoas. Procura demonstrar também como o entretenimento, transformado em mercadoria ao alcance de todos, modificou as relações no trabalho e na educação. Relaciona a massificação das pessoas com o efeito do choque e também suas implicações como forma de controle social.

PALAVRAS-CHAVE: Progresso. educação. diversão e a indústria cultural.


DEMOCRACIA, CIDADANIA E O DEVER DE EDUCAÇÃO DO ESTADO NA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988.

DEMOCRACY, CITIZENSHIP AND THE EDUCATIONAL DUTY OF THE STATE IN THE BRAZILIAN CONSTITUTION OF 1988.

- Pedro Luís da Silva COSTA

 

RESUMO: O presente trabalho procura analisar a maneira como a Constituição Brasileira de 1988 (que se encontra vigente em nosso país até hoje) tratou da democracia, da cidadania, da soberania popular, da participação política da sociedade e da maneira como a educação (instituída como dever do Estado) se relaciona com estes temas, servindo como instrumento necessário para concretizar estes princípios.

PALAVRAS-CHAVE: Direito. educação. Estado. democracia. cidadania.


AS DIFICULDADES NO ENSINO DA MATEMÁTICA NO BRASIL

DIFFICULTIES IN TEACHING OF MATHEMATICS IN BRAZIL

- Alexandre da Silva MELLO

 

RESUMO: O ensino da matemática vem sofrendo grandes alterações, nos últimos anos, decorrentes das dificuldades observadas, como apontam os índices de avaliações externas e internas. Diante desse panorama, este trabalho apresenta uma breve pesquisa sobre o ensino da matemática no Brasil e procura identificar possíveis soluções.

PALAVRAS-CHAVE: Matemática. modelagem matemática. Fracasso escolar.


ANÁLISE TEXTUAL DA PLASTICIDADE EM 3D

TEXTUAL ANALYSIS OF PLASTICITY IN 3D

- Silas GUTIERREZ

 

RESUMO: Este artigo problematiza a questão da leitura em ambiente 3D abordando, brevemente, o contexto digital e suas implicações em uma sociedade ligada no moderno. Demonstramos como os recursos tecnológicos da modelagem tridimensional criam uma narrativa para uma sociedade jovem que hipervaloriza a estética digital.

PALAVRAS-CHAVE: Estética digital. Ideologia. Animação.


ADEUS ÀS ARMAS & NADA DE NOVO NO FRONT: SIMILARIDADES E DISTINÇÕES DO EMBATE ENTRE O “EU” E O “MUNDO”

A FAREWELL TO ARMS & NEW ON THE WESTERN FRONT: SIMILARITIES AND DIFFERENCES IN THE CONFLICT BETWEEN “MYSELF” AND THE “WORLD”

- Márcio Luís SOUZA-MARCHETTI

 

RESUMO: À luz dos princípios comparativos propostos por René Wellek no artigo “O nome e a natureza da literatura comparada” e da teoria literária presente em A teoria do romance de Georg Lukács, esta obra tem o intento de convergir a crítica e a teoria literária de distintos pensadores dos Estudos Literários no mesmo foco analítico, visando, assim, a uma melhor elucidação de duas das estruturas que sustentam os romances Adeus às armas, de Ernest Hemingway, e Nada de novo no front, de Erich M. Remarque: o herói e o significado da guerra nas suas vidas.

PALAVRAS-CHAVE: Literatura comparada. Georg Lukács. teoria do romance e romance de guerra.


CLARICE LISPECTOR E A IMPRENSA FEMININA NA DÉCADA DE 50: COMO MATAR BARATAS?

CLARICE LISPECTOR AND WOMAN’S PRESS IN THE 50S: HOW TO KILL COCKROACHS?

- Mariângela ALONSO

 

RESUMO: Análise e discussão de uma parte da trajetória de Clarice Lispector na imprensa feminina brasileira, tomando como ponto de partida o texto Meio cômico, mas eficaz, publicado em 8 de Agosto de 1952 em colaboração ao semanário Comício. O suporte teórico utilizado será composto pelos estudos de Betty Friedan, Simone de Beauvoir, Dulcília Buitoni, entre outros. Além disto, recorremos a vozes importantes da crítica de Clarice Lispector, as quais iluminarão o caminho de análise aqui percorrido.

PALAVRAS-CHAVE: Imprensa feminina. Clarice Lispector. Meio cômico. mas eficaz.


A MODERNA HESITAÇÃO FANTÁSTICA EM “O­ PÉ DA MÚMIA”, DE GAUTIER

THE FANTASTIC MODERN HESITATION IN “O PÉ DA MÚMIA”, BY GAUTIER

- Ana Carolina Bianco AMARAL

 

RESUMO: O gênero fantástico é produzido de forma corrente no século XIX. Em uma das abordagens da literatura fantástica, a hesitação, resultado da tensão do aspecto verossímil e do sobrenatural em um único texto, é o substrato ficcional da literatura fantástica e, por meio de estratégias narrativas, requer a participação do leitor implícito no texto. Esse trabalho pretende demonstrar no conto “O pé da múmia”, de Théophile Gautier, publicado em 1840, inserido no contexto da modernidade, que vem a partir do Romantismo ocidental, a construção do efeito fantástico proposta pelo teórico Tzvetan Todorov. Observando, também, como esse texto pode dialogar com determinado contexto histórico francês.

PALAVRAS-CHAVE: modernidade. literatura fantástica. “O pé da múmia”. Gautier.


Iniciação Científica

“VISIO”, DE MACHADO DE ASSIS: UMA POÉTICA DE TRANSIÇÃO

“VISIO”, BY MACHADO DE ASSIS: A POETIC OF TRANSITION

- Sandro PONCIANO

 

RESUMO: Este artigo propõe-se a demonstrar pontos de contato entre o poema “Visio” – da obra Crisálidas, de Machado de Assis – e o Romantismo. A importância do trabalho também se revela pela carência de estudos da obra poética machadiana, já que sua obra em prosa tenha despertado maior interesse ao longo dos tempos. O poema aqui discutido oferece meios para entendermos aspectos relevantes da obra em verso de Machado.

PALAVRAS-CHAVE: Machado de Assis. poesia. Romantismo. transição.


AUTORITARISMO VERSUS SUBMISSÃO EM CONTOS MARAVILHOSOS DE MARINA COLASANTI

AUTHORITARIANISM VS. SUBMISSION IN MARINA COLASANTI’S FAIRY TALES

- Raphaela Magalhães Portella HENRIQUES

 

RESUMO: Entre as vozes que circundam a literatura contemporânea, encontra-se a de Marina Colasanti. A escritora, que oscila sua produção entre contos de fadas, contos rápidos e poesias, tece sua escritura de forma singular no panorama da literatura atual e vem-se destacando por entremear textos que refletem sobre questões que envolvem a relação entre marido e mulher, pai e filho, realidade e sonho, limitação e utopia. O trabalho em questão visa a uma reflexão sobre os contos de fadas da autora, de forma que possamos compreender a construção da problemática pressuposta pelo conflito autoritarismo x submissão em textos repletos de efeitos em cada figura.

PALAVRAS-CHAVE: Marina Colasanti. conto de fadas. autoritarismo. submissão.