Vol. 7, n. 1, 2014

TRAVESSIAS INTERATIVAS – VOLUME VII
1º SEMESTRE/2014

Existe é homem humano. Travessias...

Chegamos ao sétimo número da revista de letras Travessias Interativas, com onze artigos que referendam estudos poéticos e leitura de poesias, estruturas narrativas e análise de romances, estudo teatral e ensino de literatura, análise do discurso e gêneros textuais. A diversidade deste volume cumpre a tarefa importante de trazer contribuição para leitores e pesquisadores; os textos possuem investigação crítica e originalidade.

Na primeira sessão da revista, há uma entrevista com o Prof. Dr. Paulo Franchetti, que se destaca como crítico de literatura e, mais recentemente, como poeta, com uma produção já considerável e reveladora de uma voz singular na pluralidade contemporânea. Franchetti fala sobre sua produção, incorporando, ainda, reflexões sobre a poesia contemporânea, a crítica literária atual, os novos meios de proliferação da poesia etc. No final da entrevista, há dez poemas que o poeta nos enviou, permitindo-nos publicá-los. A entrevista foi concedida a Leonardo Vicente Vivaldo (AFARP-UNIESP), também estudioso de poesia. Registramos, aqui, nosso agradecimento ao entrevistado, pela disponibilidade e contribuição.

O primeiro artigo, intitulado “A poesia de Mário de Andrade, em versos de Roberto Piva e de Carlos Felipe Moisés”, de Cristiane Rodrigues de Souza (Centro Universitário Barão de Mauá), traz, por via da “estética dos vestígios”, a herança da poesia de Mário de Andrade nos versos dos dois poetas contemporâneos. Em “O silêncio de pedra: breves considerações sobre o nada, o silêncio e as ausências em A pedra do sono, de João Cabral de Melo Neto”, Fabiano Rodrigo da Silva Santos (USP) e Maria Clara Gonçalves (UNICAMP) delineiam a ausência como categoria poética aparente em A pedra do sono – obra inaugural (1942) de João Cabral. Dando continuidade ao estudo poético, o próximo artigo, de Alex Moretto (Faculdade São Luís) – “A poética da natureza em O pastor amoroso, de Alberto Caeiro” – aclara um aspecto pouco explorado no heterônimo pessoano: o afastamento da natureza em detrimento da subjetividade.

Os artigos seguintes privilegiam o estudo da narrativa. Em “Breve percurso por caminhos da literatura. Sobre narrativas: Mito, Epopeia e a problemática do Romance”, de Mirella Priscila Izídio da Silva (UFPE), parte-se de teorias de Jolles Northrop Frye e Georg Lukács para um estudo sobre o desenvolvimento do romance e suas relações para com o mito e a epopeia. Já o próximo artigo, de Liliane Pereira Soares do Nascimento (UNESP/S. José do Rio Preto), intitulado “Alexandre e outros heróis e a experiência comunicável de Walter Benjamin”, estuda o referido romance, de Graciliano Ramos, à luz da “experiência comunicável” de Walter Benjamin, palmilhando a relação entre literatura e sociedade. Em “A personagem feminina nos contos de Hans Christian Andersen”, de Gracinéa I. Oliveira (UFMG) e Olívia de Fátima Medeiros (FACISABH), estuda-se o perfil da figura feminina na obra de Andersen, observando-se elementos comuns em personagens de classes sociais distintas. O artigo seguinte, “A utilização da maquinaria gótica e seus sentidos em Rapaccini´s Daughter”, de Raquel de Vasconcellos Cantarelli (UNESP/Araraquara), parte do estudo da obra de Nathaniel Hawthorne para desvelar aspectos importantes do gótico e sua relação com o desenvolvimento científico e tecnológico.

No próximo artigo, voltado para o gênero dramático, Solange Santos Santana (UFBA) estuda alguns aspectos da ironia de Nelson Rodrigues, no artigo “O homem é apenas um ser trágico que ama e morre: a ironia em O beijo no asfalto”. Pensando o ensino de literatura por via de teóricos da tradição literária moderno-contemporânea, Lincon Luiz Vaneti (UNESP/Araraquara) e Alexandre de Melo Andrade (AFARP-UNIESP / UNESP-Araraquara) trazem reflexões pertinentes à literatura e ao ensino, no artigo intitulado “Literatura: ensiná-la pela teoria ou pela fruição?”.

Os dois últimos artigos seguem as trilhas dos estudos linguísticos. Em “Três faces do discurso em Jakob Von Gunter”, Paula Carolina Betereli (UFMG) estuda as diversas facetas do poder, na referida novela, do escritor suíço Robert Walser, à luz da teoria de Michel Foucault sobre discurso e poder. No artigo que fecha a edição – “Tecnologias digitais e ensino: análise de um trabalho de produção de vídeos sob a óptica dos gêneros” –, Fávia Danielle Sordi Silva Miranda (AFARP-UNIESP / UNICAMP) apresenta “reflexões acerca da interface entre linguagens e tecnologias e suas implicações para o ensino”.

Entregando mais este volume, só nos resta agradecer a todos os articulistas que nos premiaram com seus textos e desejar que eles ratifiquem sua contribuição para os estudos das letras.

Os editores,
Prof. Dr. Alexandre de Melo Andrade
Profa. Dra. Valéria da Fonseca Castrequini

(Editores)

 


AUTOR CONVIDADO

ENTREVISTA COM PAULO FRANCHETTI

- Leonardo Vicente Vivaldo

 


A poesia de Mário de Andrade, em versos de Roberto Piva e de Carlos Felipe Moisés

Mário de Andrade’s poetry in Roberto Piva and Carlos Felipe Moisés verses

- Cristiane Rodrigues de SOUZA

 

RESUMO: Os poetas da Geração 60 são marcados pelo ecletismo. No entanto, um dos pontos em comum entre, principalmente, Carlos Felipe Moisés e Roberto Piva, é o interesse nos versos e na figura de Mário de Andrade. Como afirma Cláudio Willer, em texto que fecha a Antologia poética da Geração 60, o escritor modernista aparece em poemas de Piva e de Carlos Felipe como vulto a acompanhar os dois poetas. No entanto, a leitura detida de poemas dos dois autores revela não apenas a figura de Mário de Andrade acompanhando-os em suas andanças poéticas, mas também a intertextualidade constante que Carlos Felipe e Piva realizam com a obra do poeta modernista, ao retrabalharem temas, versos e ritmos do autor de Paulicéia desvairada. O presente trabalho, portanto, por meio de estudo de poemas representativos de Roberto Piva e Carlos Felipe, estabelece proximidades entre o poeta do começo do século XX e os dois outros autores, desvelando de que maneira a obra dos poetas contemporâneos se inserem no que se pode chamar de “estética de vestígios”.

PALAVRAS-CHAVE: poesia contemporânea. Carlos Felipe Moisés. Roberto Piva. Mário de Andrade.


O silêncio da pedra: breves considerações sobre o nada, o silêncio e as ausências em A pedra do Sono de João Cabral de Melo Neto.

The silence of the stone: brief considerations on the nothing, the silence and the absences in A Pedra do Sono, of João Cabral the Melo Neto.

- Fabiano Rodrigo da Silva SANTOS
- Maria Clara GONÇALVES

 

RESUMO: Este artigo apresenta considerações sobre as relações entre o motivo das ausências e a poética da obra Pedra do Sono, de João Cabral de Melo Neto. Pedra do Sono, escrita entre 1940 e 1941 (publicada em 1942), é obra inaugural de João Cabral e se insere em sua produção como um livro singular. Em obras posteriores, o poeta buscou extrair o poema das “coisas concretas” do mundo visível, criando, paradoxalmente, efeitos de abstração. Em Pedra do Sono, contudo, o poema surge como um Fiat em meio às trevas, e toma o tecido da noite e do Nada como matéria-prima. Por conta disso, o Nada e mais precisamente o silêncio (a forma do Nada mais cambiável com a poesia) surgem como motivos importantes, permeando toda a obra e ditando seu plano imagético e suas reflexões. Tais reflexões orbitam, muitas vezes, em torno das possibilidades de criação em meio às ausências, gerando poemas autorreferentes, que aqui serão tomados como objetos de considerações sobre a poética das ausências na modernidade e seu impacto sobre a obra de João Cabral de Melo Neto.

PALAVRAS-CHAVE: João Cabral de Melo Neto. poética da modernidade. motivos das ausências.


A poética da natureza em O pastor amoroso, de Alberto Caeiro

Poetic nature in O pastor amoroso, by Alberto Caeiro

- Alex MORETTO

 

RESUMO: O artigo mostra a forte oposição que há entre as obras O guardador de rebanhos e O pastor amoroso, ambas de Alberto Caeiro. Assim, comparamos as duas e as confrontamos, mostrando como era Caeiro quando vivia sozinho, de forma primitiva, junto à Natureza, sentindo-se um elemento dela, e como passou a viver a partir do momento em que apareceu a figura feminina em sua vida, modificando seu modo de sentir e de olhar. Ele passa a viver de forma consciente e envolve-se com os sentimentos humanos, distanciando-se da Natureza.

PALAVRAS-CHAVE: Natureza. amor. filosofia. vida.


Breve percurso por caminhos da literatura sobre narrativas: Mito, Epopeia e a problemática do Romance

Brief route along paths of literature About narratives: Myth, Epic and Romance probematic.

- Mirella Priscila Izídio da SILVA

 

RESUMO: O artigo pretende convidar o leitor a um breve passeio por conjuntos de pontos que permeiam reflexões acerca das problemáticas dos gêneros que formam a base da literatura ocidental, focando principalmente na linha traçada desde a essência mítica até as lacunas do romance, abrangendo os encerramentos estruturais épicos. Trata-se também de questões como as intertextualidades e construções arquetípicas em relações de verossimilhança e o elemento irônico que ganha força com o romance. Enveredando pelas perspectivas teóricas e metodológicas de autores como André Jolles, Northrop Frye e com grande foco na Teoria do Romance de Georg Lukács, o trabalho busca contemplar as diferentes posibilidades estabelecidas pela arte literária em diferentes momentos com objetivo de traduzir as realidades e individualidades como apreensão artística de uma totalidade.

PALAVRAS-CHAVE: Gêneros Literários. Teoria do Romance. Georg Lukács.


Alexandre e outros heróis e a experiência comunicável de Walter Benjamin

Alexandre and other heroes and the Walter Benjamin’s communicable experience

- Liliane Pereira Soares do NASCIMENTO

 

RESUMO: Este artigo investiga as relações entre contexto histórico-social e produção autoral. Sob a ótica de Walter Benjamin, e tomando como ponto de apoio os ensaios Experiência e pobreza e O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov discutem-se as relações entre literatura e sociedade e o modo como a obra Alexandre e outros heróis de Graciliano Ramos conteria exemplos do que Benjamin chama de experiência comunicável.

PALAVRAS-CHAVE: Graciliano Ramos. história e literatura. Walter Benjamim. experiência comunicável.


A PERSONAGEM FEMININA NOS CONTOS DE HANS CHRISTIAN ANDERSEN

THE FEMININE CHARATER IN TALESOF THE HANS CHRISTIAN ANDERSEN

- Gracinéa I. OLIVEIRA
- Olívia de Fátima MEDEIROS

 

RESUMO: O objetivo principal deste artigo é identificar características de personagens femininas em contos de Hans Christian Andersen (1805-1875). Já os objetivos específicos são: 1) identificar, nesse corpus, as personagens femininas pertencentes à classe alta (nobreza) e à classe baixa (povo); e 2) caracterizar essas personagens. A metodologia da pesquisa é de natureza qualitativa, especificamente, de cunho bibliográfico. Como resultado da análise, constatamos que personagens femininas, nos contos de Andersen que estudamos, apresentam diversas características comuns, independentemente da classe social a que pertencem. Há, porém, algumas nitidamente mais recorrentes em determinadas classes, como submissão e religiosidade, por exemplo, mais frequentes em personagens femininas pobres.

PALAVRAS-CHAVE: Literatura infantojuvenil. Hans Christian Andersen. Gênero. Personagem feminina.


O homem é apenas um ser trágico que ama e morre: a ironia em O beijo no asfalto

Man is only a being tragic who loves and dies: the irony in O beijo no asfalto

- Solange Santos SANTANA

 

RESUMO: Seguindo a trajetória da personagem principal, Arandir, objetiva-se, neste trabalho, identificar e refletir sobre os modos como a ironia perpassa O beijo no asfalto, quais suas marcas, vestígios e funções para a significação desse texto dramático do teatrólogo brasileiro, Nelson Rodrigues. Acredita-se que questionar, provocar e problematizar tudo que aparentemente é estável são os alicerces da ironia rodriguiana.

PALAVRAS-CHAVE: Nelson Rodrigues. O beijo no asfalto. Ironia.


A utilização da maquinaria gótica e seus sentidos em Rappaccini’s Daughter

The gothic machinery use and its meanings in Rappccini’s Daughter

- Raquel de Vasconcellos CANTARELLI

 

RESUMO: Neste artigo, apresentamos uma leitura crítica de Rappaccini’s Daughter (1844), de Nathaniel Hawthorne, analisando de que forma o autor se utiliza da maquinaria gótica nesse conto, evidenciando seus possíveis sentidos. Focalizamos, principalmente, na importância do gênero gótico como instrumento de expressão dos temores individuais e sociais de toda uma época, capaz de levantar questões sobre nossa própria realidade interna e como isso pode afetar nossa visão de mundo. Além disso, objetivamos demonstrar como essa obra pode ser compreendida como um alerta sobre os riscos dos progressos de nossa civilização, evidenciando a complexidade das relações humanas em um universo dominado pelo culto ilimitado à razão e aos desenvolvimentos científicos e tecnológicos.

PALAVRAS-CHAVE: Maquinaria Gótica. Ambivalências. Culto à Ciência.


LITERATURA: ENSINÁ-LA PELA TEORIA OU PELA FRUIÇÃO?

LITERATURE: TEACH IT THROUGH THEORY OR THROUGH ENJOYMENT?

- Lincon Luiz VANETI
- Alexandre de Melo ANDRADE

 

RESUMO: Considerando o modo como é abordada atualmente a literatura pelo sistema de ensino nas escolas, fica claro o motivo pelo qual o desinteresse por esta área, por parte dos alunos, é considerável. Transformado, por diversos fatores, em um estudo desprazeroso, voltado somente para os aspectos formais do texto literário, em detrimento de sua fruição estética pelo leitor, o ensino vem afastando os jovens do valioso bem cultural e humanístico que é a arte literária. Assim, torna-se importante refletir sobre qual o verdadeiro papel da sala de aula na vida dos alunos dos níveis fundamental e médio: apenas decorar conceitos referentes à estrutura textual ou receber a literatura como arte libertadora, reflexiva, crítica, capaz de mudar a realidade que nos circunda? Valendo-nos do pensamento de críticos literários consagrados, traçamos uma breve reflexão acerca de como atrair o alunado para o universo da literatura, sem que se despreze por inteiro, claro, o aparato técnico criado pelos estudiosos da área.

PALAVRAS-CHAVE: Ensino de literatura. Teoria. Fruição do Literário.


Três faces do discurso em Jakob von Gunten

Three faces of speech in Jakob von Gunten

- Paula Carolina BETERELI

 

RESUMO: O presente artigo pretende analisar as diversas facetas do poder despótico na novela Jakob von Gunten, do autor suíço Robert Walser, à luz do conceito de discurso e poder em Michel Foucault. As personagens principais da novela serão tomadas enquanto instâncias do discurso em relação ao personagem Jakob von Gunten.

PALAVRAS-CHAVE: Robert Walser. poder. discurso.